Rádio JOVEM PAN

100.9. Jovem Pan Feira de santana

Ouvir

Marina Silva rebate acusações: "Estou sumida mesmo, não apareço nas páginas policiais"

por Jovem Pan, . - Atualizado em

Marina Silva participa do Pânico; veja fotos

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Fonte: Johnny Drum/Jovem Pan

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)
Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)
Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)
Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)
Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)
Pré-candidata pela Rede esteve na bancada do programa nesta segunda-feira (23)

Em todos os processos eleitorais de que participa, a provocação dos concorrentes à Marina Silva costuma ser sempre a mesma: some e só aparece para concorrer de quatro em quatro anos. Em entrevista ao Pânico na Rádio nesta segunda-feira (23), a pré-candidata pela Rede em 2018 rebateu esse discurso - e também usou uma provocação. "Estou sumida mesmo, não apareço nas páginas policiais", brincou, sugerindo que muitos de seus colegas atualmente "em alta" no cenário estão sendo investigados por envolvimento em casos de corrupção. Em seguida, explicou-se.

"Isso é uma injustiça. Vocês estão me vendo aqui, não estão? Tenho certeza que estou aqui (risos). Acontece que trabalhei muito desde sempre. Quando terminou as campanhas em 2010 e 2014 eu continuei trabalhando. Fiz 600 palestras de 2011 até agora. Falei diretamente com 200 mil pessoas. Fiz viagens aos Estados Unidos e à Europa defendendo o meio-ambiente. E mais ainda, sou professora, tenho que trabalhar para comer. Uma pessoa honesta não junta patrimônio na política. Eu recusei a aposentadoria de senadora. Apresentei um projeto para acabar com a aposentadoria dos governadores também. Não tem condição de a sociedade manter isso. A pessoa fica 8 anos trabalhando e se aposenta? Recusei também o plano de saúde, que é quase um céu. Você paga menos de 200 reais e tem acesso aos melhores hospitais para a família toda. Eu recusei tudo em silêncio. É minha obrigação", disse.

Ainda falando sobre as eleições, a candidata alegou que costuma ser prejudicada com calúnias e difamações. Segundo ela, isso aconteceu especialmente em 2014. "As fake news foram inauguradas comigo no Brasil. A turma do Trump fez curso com a turma da Dilma (risos). Quando fui candidata, houve um momento em que aconteceu um bombardeio de fake news: 'Marina vai acabar com o Minha Casa Minha Vida, vai acabar com o Bolsa Família, com a transposição do Rio São Francisco', com tudo! Eu não era candidata, era uma exterminadora do futuro! Com o Trump foi cafezinho. O João Santana fez fraude eleitoral com caixa 1 e caixa 2. Foi uma campanha ganha na base da mentira e da calúnia".

Ela acredita, no entanto, que 2018 vai ter uma "particularidade" em relação aos anos anteriores. "Agora as pessoas sabem a verdade. Todo mundo sabe quem é quem no jogo do bicho. Isso é uma coisa boa. O que preocupa é o que vamos fazer com isso. Podemos ter uma atitude clínica ou uma atitude cínica. A clínica seria fazer uma 'operação lava voto' nos investigados. A cínica seria manter o 'rouba, mas faz'. Isso tem que acabar".

Eleição dominada por "pautas de costumes"

Críticos, analistas e integrantes da classe política já declararam que as eleições de 2018 podem ser pautadas pelas chamadas "pautas de costumes". Ou seja, pelas discussões acerca de temas como religião, gênero, sexualidade, aborto, drogas. Para Marina, porém, esse não é o foco. Embora ela considere a relevância de alguns desses temas, pensa que o Brasil possui pontos ainda mais essenciais para conversar.

"De 2010 e 2014, esses temas começaram a surgir muito nas campanhas. Se esse é o desejo da sociedade, deve ser debatido. Mas deve estar integrado a outros assuntos. Vivemos em um Estado laico, os direitos civis são perservados aqui. A liberdade de expressão é preservada. Precisamos das liberdades de religião, de expressão cultural. O governo deve cuidar dos interesses da população independente de gênero, orientação sexual, credo. Esses debates podem ser feitos, só não precisa de embate. Existe um ódio entre os setores. Temos que respeitar a diferença, a diversidade. Tenho mais de 33 anos de vida pública, sou cristã da Assembleia de Deus e sempre tive uma atitude de respeito", declarou.

E o Bolsonaro?

Nesse contexto, para Marina, o pré-candidato Jair Bolsonaro deve perder pontos com os eleitores por suas posições eventualmente enérgicas e exageradas. "Ele tem uma atitude de valorizar os embates. De fazer embates que, no meu entendimento, podem nos levar a um poço sem fundo. Não vamos a lugar nenhum sendo 'contra alguma coisa' juntos. Temos que ser a favor da educação, da saúde, da infraestrutura logística. Acontece que a melhor forma de ganhar uma eleição é rotulando a pessoa. Assim não precisa argumentar com ela. Eu trabalho com debate. Tenho o compromisso de não desconstruir biografias. Tanto que em 2014 fizeram um crime eleitoral contra mim e nem por isso deixei compartilharem coisas de baixo nível contra a Dilma ou contra o Aécio".

Marina Silva comentou também a privatização de empresas públicas de alta relevância para a sociedade brasileira, como a Petrobras e a Eletrobras, defendeu a Operação Lava Jato e a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e revelou o que tem a dizer até o momento sobre rumores de uma possível chapa com Joaquim Barbosa.

Todos os vídeos podem ser assistidos no canal do Pânico no YouTube

Tags da Pan

Comentários